Ressaca – Dor de Cabeça Sem Fim

ressaca duas pessoas pós festa sofrendo dor de cabeça deitas no chão de confete

E ai pessoal? Como estão nessa quarta-feira de cinzas? O tema de hoje vai ter tudo a ver com o dia de hoje. Depois de toda folia nesse feriadão, quem aparece pra nos fazer companhia? A ressaca!! Isso mesmo, hoje vamos entender o que acontece no nosso corpo quando sentimos a ressaca.

A ressaca , também conhecida como veisalgia é uma junção das palavras norueguesa kveis e grega algiaque significam, respectivamente “mal-estar depois da orgia” e “dor”,  é a maneira que o nosso organismos tem de nos lembrar sobre os perigoso consumo excessivo de álcool..

O álcool é uma das drogas mais consumidas em todo o mundo. Os mais recentes dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que cerca de 30% dos homens e 10% das mulheres no Brasil consomem álcool em excesso pelo menos uma vez por semana. Além disso, quase 80% dos jovens referem consumir bebidas alcoólicas regularmente.

Para quem acha que os efeitos ocasionados pela bebida passam depois de uma noite de sono, a ressaca vem para lembrá-los que alguns efeitos – e não dos melhores – se destacam devido a reações químicas ocorrentes entre o álcool e o organismo.

Porque ficamos bêbados?

Quando consumimos álcool a  absorção pelos intestinos é muito mais rápida do que a capacidade do fígado de metabolizá-lo. O fígado só consegue metabolizar o equivalente a 10 gramas de álcool por hora.  Portanto, se tomarmos o equivalente a 5 taças de vinho, o corpo vai demorar, 6 horas para eliminar todo esse volume.

Isso significa que após um consumo exagerado de álcool, por várias horas nosso organismo vai ter que lidar com duas substâncias altamente tóxicas circulando no sangue: álcool e acetaldeído.

O álcool age em todo nosso corpo,  mas os seus efeitos mais fortes  são no cérebro, principalmente durante uma grande ingestão.  O álcool tem ação estimulante, leva à euforia, desinibição e maior interação social. Com pequenas doses já podemos ver os sentidos serem afetados, a coordenação motora e a capacidade de concentração.

Conforme o nível de álcool se eleva, a capacidade de julgamento fica alterada e surgem os comentários e as ações impróprias. Doses maiores de álcool e acetaldeído na circulação intoxicam os neurônios, levando à inibição do funcionamento do sistema nervoso.

DICA: Quando estamos de estômago cheio, a absorção de etanol fica mais lenta, dando mais tempo ao fígado para metabolizar o álcool que chega. (por isso devemos evitar beber em jejum).

Ressaca pós bloquinho acontece insolação bebida demais desidratado

A fisiologia da ressaca

Quando consumimos o álcool ele vai para a corrente sanguínea e faz com que a hipófise (glândula cerebral) bloqueie a produção da vasopressina ( hormônio antidiurético – ADH ).  Esse hormônio é responsável pela conservação de água pelos rins, ou seja, evita que a urina se torne muito diluída.

Quando há um aumento na concentração do sangue, entendemos que há uma menor concentração de água no mesmo , então os osmorreguladores (controladores de entrada e saída de água do corpo) estimulam a produção de ADH.

Quando o ADH alcança o sangue, atua sobre os túbulos distais e sobre os túbulos coletores do néfron (no rim), tornando as células destes mais permeáveis á água. Através desse mecanismo, ocorre uma reabsorção maior de água e a urina fica mais concentrada (com aquela coloração mais escura).

Agora quando a concentração do plasma é baixa , ou seja, tem uma quantidade boa de água no sangue (mais diluído) ocorre a inibição da produção do ADH.  Por consequência uma menor absorção da água nos túbulos distais e coletores, fazendo com que ocorra maior excreção de água, o que torna a urina mais diluída (clarinha e sem cheiro).

O álcool aumenta a diurese, suprimindo a produção de ADH. O acetaldeído inibe o hormônio antidiurético, o que faz a pessoa urinar mais e, por isso, perder líquido. Daí vem a sensação de boca seca e a necessidade de beber água no dia seguinte.

Bem vindo a desidratação, a saída e entrada de líquido no corpo não encontra um equilíbrio, ocasionando no dia seguinte os sintomas tão conhecidos da ressaca.

Curiosidade: a ingestão de cerca de 250ml de bebida álcoolica ocasiona a expulsão de 800ml á 1L de água pelo corpo.

Dor de cabeça, fadiga e mal estar

O processo que envolve metabolizar o etanol, abrange vias enzimáticas do fígado que também seriam utilizadas para a geração de glicose, principalmente em períodos de jejum. Como essa enzimas estão ocupadas no trabalho  de metabolizar o etanol, ocorre uma queda no nível de glicose para o cérebro e outras regiões do organismo. A partir desse processo, o indivíduo começa a sentir os sintomas de fraqueza e mal estar.

Vômitos

O mecanismo do vômito pode, de fato, diminuir os sintomas da ressaca a longo prazo, pois retira álcool estômago, consequentemente, diminui o número de toxinas que o organismo tem de processar. No entanto, a irritação do estômago também é responsável por outras sensações nada agradáveis, como a perda de apetite e a diarreia.

Quanto a sensação de incômodo no estômago, é explicada  pela irritação das células estomacais devido á secreção elevada de ácido clorídrico na cavidade estomacal. Parte do álcool é processado no estômago, por isso, a grande incidência de secreção de HCL. Ao provocar repetidas liberações de HCL, o álcool faz com que os nervos enviem ao cérebro a mensagem de que o conteúdo do estômago está ferindo o corpo e precisa ser expelido, é ai então que teremos o vômito.

Problemas de concentração

Há muitas razões para você não conseguir se concentrar quando está de ressaca, e se você leu até aqui, provavelmente sabe por quê.  Você está desidratado e seus eletrólitos estão num nível baixo anormal.

Você tem muitas substâncias acumuladas no seu sistema, e provavelmente está lidando com todos os distúrbios intestinais de que já falamos.  Além disso, seu nível de açúcar no sangue provavelmente está baixo.

Fora tudo isso, você provavelmente não dormiu muito bem. Qualquer uma dessas coisas sozinha já seria um problema para a concentração, combinadas, vai ser difícil você conseguir fazer qualquer coisa.

Leia mais: Jejum Intermitente

A cura da ressaca

Muitas são as curas populares para a ressaca. Entre elas os mais conhecidos, como o café, tomar um bom banho de água gelada, chá, consumir produtos de cheiro forte, etc.

No entanto, ultimamente também podemos observar o crescente consumo de medicamentos que prometem livrar o consumidor da ressaca do dia seguinte ou, ao menos, atenuar os seus sintomas. Sendo assim, todo indivíduo consciente deve-se perguntar: ”Qual a procedência desses manipulados?”

Já estamos com o fígado sobrecarregado tentando metabolizar todo álcool ingerido, tomar grande quantidade de remédios para dores de cabeça, dor no corpo entre outros pode prejudicar o funcionamento do fígado.

O indicado para curar a ressaca é o tempo, devemos ficar em repouso, descansar. Tomar muita água, deixar que todas substâncias toxicas sejam eliminadas do nosso corpo. Se alimentar de maneira correta, com comidas leves, novamente para que o nosso fígado tenha tempo de se recuperar. E então, ao fim do dia, você estará pronto pra outra (não que deverá ter outra!!)

É isso por hoje pessoal! Quem ta com ressaca e conseguiu ler todo o texto? Vamos começar esse finzinho de semana com a saúde em dia! Temos que nos cuidar sempre, não se esqueçam!

 

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Olá, quer fazer seu pedido?