Aditivos – Parte I

aditivos artificial substancias

Olá pessoal, como vocês estão? Hoje eu escolhi um tema que está muito presente no nosso dia-a-dia, mas às vezes nem percebemos! Hoje nós iremos falar sobre aditivos, ele está presente em quase todo alimento industrializados, mas sabemos realmente quem eles são? Porque eles estão lá? Hoje vamos matar um pouquinho dessa curiosidade.

Aditivos alimentares

O aditivo alimentar é todo e qualquer ingrediente que será adicionado conscientemente aos alimentos. Os aditivos não tem o propósito de nutrir, mas o objetivo é modificar as características físicas, químicas, biológicas ou sensoriais, durante a fabricação, processamento, preparação, tratamento, embalagem, acondicionamento, armazenagem, transporte ou manipulação de um alimento.

A segurança dos aditivos alimentares é primordial, existe um grande controle a respeito. Antes de ser autorizado o uso de um aditivo em alimentos, este deve ser submetido a uma adequada avaliação toxicológica, em que se deve levar em conta, dentre outros aspectos, qualquer efeito acumulativo que possa ocorrer no corpo.

Atualmente existe uma discussão geral sobre a utilização de aditivos na produção de alimentos, sempre  considerando a necessidade e a segurança de seu uso. Partindo do ponto de vista tecnológico, o uso de aditivos gerou diversos benefícios, entretanto, existe a preocupação quanto aos riscos de toxicidade.

Tipos de aditivos

Os aditivos abrangem um grande grupo de substâncias, cada qual é usada com um objetivo, para um fim e de uma maneira certa. A seguir vamos ver alguns tipos e suas funções:

Antioxidantes

Os antioxidantes são compostos que irão prevenir a deterioração do alimento. No alimento pode ocorrer algumas reações com a entrada do oxigênio, essas reações geram radicais livres que são extremamente reativos, produzindo compostos responsáveis pelo mau odor e pela rancificação do alimento. Os antioxidantes procuram manter os alimentos em boas condições por mais tempo, pois anulam o efeito dos radicais livres.

Tipos de antioxidantes

Tocoferol (vitamina E), esse é um exemplo de antioxidante natural.

Já os sintéticos são o butil-hidroxi-anisol (BHA), BHT butil-hidroxi-tolueno (BHT), terc-butil-hidroquinona (TBHQ) e propil galato (PG).

Efeitos dos aditivos no organismo

Segundo estudos da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) o BHA pode ser considerado como possível carcinogênico. Um dos resultados conclui que o BHA induz modificações no DNA, iniciando a mutagênese.

O BHA e o BHT não estão relacionados somente à carcinogenicidade. Um estudo indica que estes componentes mimetizam estrogênios naturais do corpo, sendo considerados diruptores endócrinas

O BHA assim como BHT foi encontrado em esgotos,  e assim como outra pesquisa aponta, esses componentes são persistentes no ambiente e acumulam-se no fígado dos organismos de vivos e em sedimentos.

Alimentos que contem antioxidantes

Podem ser encontrados em sorvetes, leite em pó instantâneo, leite de coco, produtos de cacau, conservas de carne, cerveja, margarina, óleos e gordura em geral, farinhas, polpa e suco de frutas, refrescos e refrigerantes.

Antiumectante

O antiumectante é uma substância que tem a capacidade de diminuir as características higroscópicas dos alimentos. Os chamados higroscópicos são aqueles materiais que retêm uma quantidade maior de água fazendo com que a quantidade de umidade aumente.

Esse tipo de substância vai impedir que ocorra o agrupamento de partículas quando ocorre o contato com a água. Ou seja, a sua função nos alimentos é impedir que os alimentos secos fiquem umedecidos. Ele é importante para evitar a absorção da umidade.

Tipos de Antiumectante

Silicato de cálcio, sais de sódio potássio e cálcio dos ácidos mirístico, palmítico e esteárico, sais de magnésio dos ácidos mirístico, palmítico e esteárico, óxido de magnésio, hidróxido de magnésio, dióxido de silício, carbonato de magnésio;

Efeitos dos antiumectantes no organismo

O ferrocianeto de sódio, cálcio ou potássio estão associados à intoxicação dos rins, que são responsáveis pela absorção de minerais, produção de hormônios e filtragem do sangue. O órgão ainda atua na produção de urina, excreção de resíduos como as toxinas, controle do nível de água no organismo e a regulação da pressão arterial, dos glóbulos vermelhos e de ácido no corpo.

Em doses elevadas, o alumínio é tóxico para as células nervosas e para o metabolismo mineral.

Outro antiumectante é o fosfato tricálcico, cujo consumo regular causa uma diminuição na absorção de cálcio e o desequilíbrio na relação entre cálcio e fósforo no corpo humano.

Há ainda o silicato de alumínio, que aparece como causador de efeitos neurotóxicos e possuidor de uma relação com a doença de Alzheimer. O composto ainda é apresentado como um antiumectante que oferece riscos para indivíduos que possuem problemas nos ossos e perturbações nos rins.

Alimentos que possuem antiumectante

Produtos alimentares desidratados (condimentos em pó preparados, gemas desidratadas, ovo integral desidratado, preparados desidratados e concentrados para sopas e caldos, açúcares).

Sal e seus produtos de substituição, gêneros alimentícios sob a forma de pastilhas, queijos de pasta dura, semidura e fundidos, ralados ou fatiados, arroz, goma de mascar, tratamentos de superfície das salsichas, gomas de gelatina moldada, os temperos.

Umectante

Ao contrário do antiumectante o umectante possui propriedades higroscópicas, ajudando a controlar as presenças de micróbios ao diminuir a atividade de água do alimento.

Uma das funções dessas substâncias umectantes é a captura da umidade doar em ambientes úmidos, em que existem alimentos armazenados, evitando assim o seu ressecamento e possível solidificação.

Tipos de umectante

Diacetil sulfossuccinato de sódio, glicerol, lactato de sódio, propileno glicol e sorbitol.

Efeitos do umectante no organismo.

Lactato de sódio Deve ser evitado por pessoas intolerantes a lactose. Pode causar perturbações no metabolismo dos bebês, devido à imaturidade do sistema digestivo.

O sorbitol em doses elevadas é laxativo, provoca inchaços no abdômen, diarréia, dores intestinais. Em  doses elevadas, podem causar cálculos e tumores nos rins.

Alimentos que possuem Umectante

Panetones, bolachas, chocolates, bolos, doces com recheio, carnes em conserva, queijos

Corante

A aceitação de um alimento pelo consumidor está diretamente relacionada a sua aparência. Por isso, a área alimentícia preocupa-se tanto com a aplicação de cores como com a obtenção de alimentos que agradem aos olhos do consumidor, através dos corantes alimentares.

Os corantes alimentares são aditivos definidos como toda substância que confere, intensifica ou restaura a cor de um alimento.

Existem três categorias de corantes permitidas pela legislação para uso em alimentos: os corantes naturais, o corante caramelo e os corantes artificiais.

Corante natural

O corante natural, é o pigmento ou corante inócuo extraído de substância vegetal ou animal

Na indústria alimentícia os tipos de corantes alimentares naturais mais utilizados são:

Extratos de urucum: obtido da semente do urucuzeiro, planta originária das Américas Central e do Sul. Coloração: vermelho.

Carmim de cochonilha: extraído de insetos da espécie Dactylopius coccus Costa, presente em balas, sorvetes, recheio de biscoitos. Coloração: rosa.

Curcumina: presente nos rizomas da cúrcuma (Cúrcuma longa). Coloração: amarelo

Antocianinas: amplamente distribuídas em flores, frutos . Coloração: roxo

Efeitos do corante natural no organismo

Não há estudos que comprovem relação do corante natural com doenças.

Alimentos que contem corante natural

Cereais, aperitivos, confeitos, coberturas, sobremesas,lácteos, massas,molhos, queijos, recheios, refrescos e refrigerantes.

Corante caramelo

O corante caramelo é o produto obtido a partir de açúcares pelo aquecimento em temperatura superior ao seu ponto de fusão.

Um dos mais antigos aditivos utilizados para coloração do produto final. Cor que pode variar da amarelo-palha à marrom escuro até quase negro.

Efeitos do corante caramelo no organismo

O Caramelo IV quando consumido em excesso pode causar o câncer. As áreas mais propensas para aparecimento da doença seriam no pulmão, esôfago e sangue (leucemia). No Brasil, a Coca-Cola, um dos refrigerantes mais consumidos, além de uma quantidade absurda de açúcar, possui quatro vezes mais a quantidade de Caramelo IV do que a Coca-Cola que é vendida na California, USA.

Alimentos que contem corante caramelo

Molhos, gelados comestíveis, biscoitos, doces, bebidas alcoólicas e refrigerantes, destacando-se principalmente no sabor cola e guaraná.

Corante Artificial

O corante artificial ou sintético é a substância obtida por processo de síntese.

Os corantes alimentares artificiais são uma classe de aditivos sem valor nutritivo, introduzidos nos alimentos e bebidas com o único objetivo de conferir cor, tornando-os mais atrativos aos olhos do consumidor. Os produtos industrializados são os que mais contêm estes aditivos.

Alimentos que possuem corantes artificiais

Amarelo de Tartrazina: É o corante que deixa os salgadinhos com aquela cor amarela. Presente em bala, goma de mascar, gelatina, caldo de carne, suco de uva, laticínios, licores, fermentados.

Amarelo crepúsculo: Presente em bolos, refresco em pó, sopas, margarinas, gelatinas, energéticos, macarrão instantâneo, sorvetes. Banido na Finlândia e Noruega.

Vermelho eritrosina
Presente em pós para gelatinas, laticínios, refrescos em pó, geleias. Banido nos EUA e na Noruega.

Azul de Indigotina
Usado em goma de mascar, iogurte, balas, caramelos, pós para refrescos artificiais.

Azul brilhante
Usado em Laticínios, balas, cereais, queijos, recheios, gelatinas, licores, refrescos. Banido na Alemanha, Áustria, França, Bélgica, Noruega, Suécia e Suíça.

Efeitos dos corantes artificiais no organismo

Estudos recentes apontam a relação entre o consumo de corantes artificiais com o desenvolvimento de reações alérgicas, ou seja, reação adversa a determinada substância que envolve um mecanismo imunológico e tem apresentação clínica muito variável, com sintomas que podem surgir na pele, no sistema gastrintestinal e respiratório.

Sintomas

Além da irritação intestinal e estomacal, os principais sintomas “alérgicos” diante o consumo dos corantes artificiais, são:

Inchaço no rosto, vermelhidão pelo corpo, coceira, enjoo, falta de ar/ fadiga,  crises asmáticas, broncoespasmos, rinite, eczemas

Adicionalmente, a reação adversa ao corante pode causar cefaleias, insônia, dores nas articulações e mal estar geral. Os sintomas podem aparecer ou logo após o consumo dos alimentos ou algumas horas depois. Apesar de ser natural, o corante “cochonilha” também pode desencadear reações alérgicas.

 

Pessoal, esse tema é muito longo, puderam perceber né? Então vamos dividir em duas partes, semana que vem eu estou de volta pra gente terminar esse papo, combinado?

Beijos

Confira a Parte 2 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Olá, quer fazer seu pedido?